Aberto registro do modo de fazer queijo kochkäse como bem imaterial

02/06/2017

Foi entregue oficialmente na manhã desta sexta-feira, dia 2, o processo de registro do modo de fazer queiko kochkäse como bem imaterial. A solenidade ocorreu no auditório da Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí (Ammvi) e contou com a presença de autoridades dos seis municípios engajados no projeto – Blumenau, Pomerode, Indaial, Timbó, Benedito Novo e Gaspar.

A documentação elaborada por meio de um trabalho conjunto entre a Universidade Regional de Blumenau (Furb) e a Epagri, com o apoio da Prefeitura de Blumenau, dentre outros órgãos. Em elaboração desde 2009, o Inventário Nacional de Referências Culturais, juntamente com um dossiê comprovando o envolvimento comunitário gerado pelo tema no Vale do Itajaí gerou 3 mil páginas de relatório, editadas em seis volumes, que serão analisados pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Segundo a chefe da diretoria técnica do instituto em Santa Catarina, Regina Helena Santiago, o processo agora será analisado por uma câmara técnica que irá averiguar a pertinência do pedido. Serão avaliados critérios como a continuidade histórica e a significação da prática para a comunidade. “Se for necessário, pediremos outros documentos complementares, para que se possa analisar até que ponto o modo de fazer o queijo kochkäse é parte da identidade desses grupos e formador da cultura brasileira”, explica. De acordo com Regina, todo o processo pode levar de cinco a seis anos.

O evento contou com a participação de produtores do queijo, entre eles o senhor Reinwald Lickfeld, de Benedito Novo, que representou os demais durante a solenidade. “Estamos entusiasmados com esse projeto. Entre os jovens, muitos já não sabem mais o que é o kochkäse e esse apoio não vai deixar o queijo desaparecer”, declarou o agricultor em cuja família a prática perdura por pelo menos três gerações.

A preservação da história e da cultura foi também a importância apontada pelo presidente da Fundação Cultural de Blumenau, Rodrigo Ramos. “Esse registro servirá para dar continuidade a uma tradição que vinha sendo mantida desde o século 19, mas que as novas gerações não vinham replicando. Não se trata apenas do queijo, mas dos valores em torno dele, como o hábito de reunir a família em torno do fogão enquanto ele é feito, muito característico da nossa região”, destacou.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Empreendedorismo, Móris Kohl, lembrou que Blumenau já reconheceu o kochkäse como patrimônio municipal. “Em 2015, a Câmara aprovou a lei 8.192, que reconhece a importância cultural dessa prática. E este ato de hoje potencializa a nossa cultura regional, pois a tradição do queijo não pertence a uma cidade só, pertence a todos os empreendedores rurais da nossa região”, frisou.

Sobre o queijo kochkäse
O kochkäse é um queijo originário da Alemanha, trazido pelos imigrantes para a região do Vale do Itajaí. Tradicionalmente, é feito a partir do leite cru, coagulado naturalmente e em seguida prensado para retirar o soro. Estima-se que nos seis municípios abrangidos pelo processo de registro do Iphan, cerca de 100 famílias, entre produtores rurais de leite e feirantes, fabriquem o queijo dessa maneira.

Com a abertura do processo, o modo de fazer do queijo kochkäse poderá ser reconhecido como patrimônio cultural imaterial, o que o tornará uma iguaria relevante e transformará o hábito alimentar em característica cultural destas cidades.

Assessora de Comunicação: Aline Franzoi Santos Fleith
Foto: Michele Lamin.